Usuário:Bárbara

De EmBreveAqui
Ir para: navegação, pesquisa

Desenhando a cidade em tempos instáveis (Saskia Sassen)

"Os arquitetos necessitam enfrentar a enormidade da experiência urbana, a presença esmagadora de arquiteturas maciças e de infraestruturas densas nas cidades de hoje, e a lógica irresistível do lucro que organiza muitos dos investimentos nas cidades." O crescimento das cidades vem cada vez mais gerando deficiências em atender as necessidades coletivas e desigualdades nos centros urbanos.

"Ao mesmo tempo, uma cidade está cheia de espaços subutilizados, frequentemente marcados mais pela memória do que por seu significado no presente como espaço subutilizado." A memória como senso de pertencimento ao local, mesmo fora das lógicas de lucro atuais.

"Além da enorme variedade de suas contribuições, a arquitetura e o urbanismo podem funcionar também como práticas artísticas críticas que nos permitem captar algo mais evasivo do que aquilo que se vê representado pelas idéias como a da transformação do urbano em um parque temático." Lugares semiabandonados X estruturas maciças.

Esses espaços considerados semiabandonados exibem grande potencial de recuperação não apenas arquitetônica mas de história.

---

1- "Os edifícios das superquadras, diferentemente do que hoje entendemos como condomínio, não ocupam lotes e sim, projeções. O chão passa, por conseguinte, a ser de uso comum, onde a liberdade de ir e vir dentro do espaço formado pela superquadra é público. Em outras palavras, os moradores não são mais donos de um terreno. Eles passam a deter, apenas, a concessão de uso de um espaço “aéreo” sobre uma área que é pública. O pilotis foi utilizado como intenção não apenas de proporcionar visibilidade, mas o da permeabilidade, viabilizando a passagem dos transeuntes eventuais – sem inibição ou distinção. O seu uso, portanto, deixa explícita a pretensão de que a cidade pertenceria a todos.(...)A permeabilidade proporcionada pelo pilotis assumiu um papel primordial na ligação entre as superquadras. Por seu intermédio, eixos reais e virtuais proporcionam possibilidades de articulação para o trânsito de pedestres. Sendo assim, o pilotis participa, de forma fundamental, na consolidação da integração, principalmente, do conjunto de cada quatro quadras." (http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/07.075/1938)

2- http://sites.correioweb.com.br/app/noticia/encontro/revista/2015/02/20/interna_revista,2091/a-vida-debaixo-do-bloco.shtml

3- Estudos de caso: http://www.pps.org/wp-content/uploads/2012/09/PPS-Placemaking-and-the-Future-of-Cities.pdf

4- http://www.usp.br/fau/depprojeto/labhab/biblioteca/teses/ferreira_doutorado_apropriaurb.pdf (pág 71-76: Descrever e caracterizar nossa área de intervenção) pág 81: "Andando pelas ruas do centro histórico é fácil nos depararmos com situações inusitadas de uso comunitário de áreas privadas. Alguns edifícios ou conjuntos se abrem para as calçadas, permitindo o uso de miolos de quadras. Um exemplo dessa ocupação está no térreo do edifício Copan. Implantado de forma inusitada, esse edifício tem conexões interessantes, como a passagem coberta para a Avenida São Luis. O aproveitamento do térreo do edifício, e de sua extensão em largas calçadas, é feito por moradores do edifício e do entorno; a prática de futebol por crianças e jovens é também comum, apesar do terreno pouco favorável. Outra interessante forma de ocupação de miolo de quadra é verificado na s vilas que sobreviveram, em alguns casos apenas em seu traçado em outros integralmente, do processo de verticalização, caso da Vila dos Ingleses ou da Vila Suiça. Além das vilas, em algumas áreas os espaços livres das vielas tornam-se os únicos passíveis de apropriação pelos moradores, e nelas são vistas constantemente crianças brincando durante o dia; é o caso da seqüência de travessas da Rua dos Estudantes, no complexo de cortiços da Baixada do Glicério, do Beco dos Aflitos, na Liberdade, dos fundos da Rua Basílio da Gama, na República, e das pequenas Ruas do Carmo e Alcides Bezerra, no baixio entre a Praça Clóvis e a Rua Tabatingüera.Em todos esses espaços é comum ainda hoje a rua tomar corpo de cancha de futebol,suprindo a inexistência de quadras nas proximidades."